31 de janeiro de 2021

Quebrando a Culpa que nos distancia de Deus

 A Graça e a Paz de Cristo Jesus, meus amados irmãos!

Há momentos em que nos sentimos tão desconectados de Deus, mesmo sendo conhecedores da sua existência, do seu amor e sua infinita misericórdia. A consciência do pecado nos constrange e cria uma barreira para nos achegarmos ao Pai. Em outras situações, essa desconexão não procede diretamente do reconhecimento do pecado, mas do esfriamento do relacionamento com o Senhor, que foi enfraquecendo-se de forma lenta e quase imperceptível, devido à inserção de elevadas doses de distrações e egocentrismo.

Seja pela falta de temor, reverência e/ou por colocar a si mesmo e suas próprias vontades no centro de tudo, na realidade, não importa a causa, razão ou circunstância que nos fizeram chegar a esse vazio tão desconfortável de Deus em nosso ser, tudo o que precisamos é buscar nos alinharmos novamente com Ele, o mais rápido possível.

O Espírito Santo do Senhor é real e habita em nós, e por inúmeras vezes nos alerta quando estamos trilhando uma rota que nos distancia da vontade do Pai, mas a carne acaba por vencer e segue o seu próprio caminho. Diante disso, a sintonia da vida não segue uma cadência agradável, coisas que outrora fluíam de maneira tão natural e prazerosa, como ir à igreja, ler passagens da Bíblia ou esquecer as horas em longas conversas com o Pai, tornam-se tão pesadas, soam como difíceis obrigações que precisam ser cumpridas para fechar o dia, para “bater o cartão” dentro daquele resquício de uma rotina cristã. E o tempo vai passando e o pecado adentrando sutilmente em cada segmento das nossas vidas.  Satanás vai agindo de forma velada e nos induzindo a acreditar que determinado comportamento ou pensamento não é pecado, nada mais parece ser pecado, tudo se torna normal e aceitável. Inclusive Deus torna-se o carrasco, com todas as suas proibições e direcionamentos.

 Acredite, que se você se sente de alguma forma distante do Senhor, o arrependimento é o primeiro passo. Podemos até nos sentirmos culpados por um instante, a culpa é inerente ao homem, mas não podemos nos vitimizar diante de Deus, pois antes mesmo de fazermos ou deixarmos de fazer algo, Ele já sabia de tudo, Ele nos conhece melhor do que nós mesmos, Ele conhece as nossas fraquezas e imperfeições, e mesmo assim continua nos amando e nos esperando. Somos justificados todos os dias pelo Sangue do Cordeiro.

RECONHECER.  REPREENDER.  RECOMEÇAR.

Reconhecer o pecado, as causas que nos afastam de Cristo. Repreender toda a armadilha de Satanás para nos manter distantes do Pai, toda seta inflamada lançada em nossas mentes que tenta nos fazer acreditar que não somos dignos do perdão e do amor do Senhor. Recomeçar o nosso relacionamento com o Deus, assim como a Palavra nos ensina em Isaias 55:6 buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Recomeçar sempre, se for preciso recomeçar um milhão de vezes, o façamos!

Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.
Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei.
E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.

Jeremias 29:11-13

16 de janeiro de 2021

Perdendo Bênçãos

A Graça e Paz de Cristo Jesus, meus amados irmãos!

Existem circunstâncias ruins pelas quais somos obrigados a passar e que não há nada que possamos fazer para evitá-las ou simplesmente escapar delas. Diferentes razões nos prendem, na realidade, nos submetem a elas de maneira que só é possível sentir o sabor amargo descer pela garganta, o coração desfalecer dentro do peito e a frustração tolher a nossa alma deixando-a bem pequenininha e sufocada.  Quem nunca já se viu assim? Mas, acredito que como dizia o matuto de uma novela famosa: - Tudo o que acontece de ruim na vida da gente é 'pra meiorá!

Nós, como cristãos, sabemos que tudo o que Deus permite que nos aconteça é com um objetivo. Não é nada por acaso, ou que de qualquer forma iria acontecer. Quando nos entregamos nas mãos de Deus, passamos a ser responsabilidade Dele (inclusive eu já escrevi isso em alguns textos), mesmo acertando ou errando, mesmo se dedicando ou vacilando, independente da situação, enquanto proclamamos que só o Senhor Jesus é o único digno da nossa adoração e o legítimo Salvador das nossas almas, pode ter certeza que tudo o que vivemos está debaixo dos propósitos de Deus.

Mas, sabe o que é mais reconfortante? É saber que após uma batalha vem a vitória, a caminhada cristã é feita de batalhas, e também de muitas vitórias. Tudo isso faz parte da nossa história, a cada luta uma sobrecarga de conhecimento, de sabedoria, de experiência, de intimidade com Deus. A cada vitória, um período de regozijo, de calmaria e descanso. Sim, Deus permite que passemos por grandes tempestades, mas Ele não nos abandona em meio aos ventos impetuosos, Ele nos ensina a lutar, Ele nos faz fortes, nos prova e nos concede a medalha de vencedor.

E depois que conquistamos a medalha de vencedor, é possível de alguma forma perdê-la? Em outras palavras: é possível perder uma benção, depois de tanto esforço para alcançá-la? Sim! Existe uma condição debaixo do céu para preservarmos nossas bênçãos. Em Mateus 6:33, a encontramos:

Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

A condição então é: buscar a Deus em primeiro lugar, e as bênçãos temporais e materiais nos serão preservadas. Já notou que quando estamos desfrutando de um longo período de calmaria, nossos objetivos tendem a desfocar de Deus, de reservar aqueles momentos de oração e conversas que costumávamos ter com Ele? De nos permitir falar sobre Ele com os estranhos, de compartilhar nossos testemunhos de fé, parece que nos firmamos mais na carne, nos nossos próprios impulsos, deixando de ceder um espaço para o Espírito Santo agir por meio de nós. Então sim, perdemos nossas bênçãos, uma a uma, até ao ponto de se zangar com Deus, acreditando que Ele nos abandonou, quando na verdade fomos nós que O abandonamos e resolvemos viver regidos por nossas próprias intuições.

Isso me fez recordar daquela geração que saiu do Egito, que foi liberta da escravidão, mas por desobediência nunca entrou na terra prometida. Perderam a benção! Apenas Josué e Calebe conheceram a terra de Canaã. É como li certa vez: Tem Gente perdendo bênçãos (no plural) no futuro, por não saber lidar com UMA benção (no singular) que ganhou no presente (Márcio Otnniel).

Alana Baggioto

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...